Os Quatro Seres Vivos

Introdução

O livro do profeta Ezequiel começa com uma visão dramática. Ele viu os céus abertos e no meio de um brilho deslumbrante, ele viu quatro seres vivos. Ele os descreve da seguinte forma: “Seus rostos eram assim: cada um dos quatro tinha o rosto de um homem, e no lado direito cada um tinha o rosto de um leão e, à esquerda, o rosto de um boi; cada um também tinha o rosto de uma águia ” (1:10). João tinha uma visão semelhante, registrada em Apocalipse 4: 6,7: “No centro, ao redor do trono, havia quatro seres vivos, e estavam cobertos de olhos, na frente e atrás. O primeiro ser vivo era como um leão, o segundo era como um boi, o terceiro tinha um rosto como um homem, o quarto era como uma águia voadora.”

Qual é o significado dessas visões e desses quatro seres vivos?

Quatro homens - um cobrador de impostos, um homem de ocupação desconhecida, um médico e um pescador - escreveram biografias de Jesus Cristo. Seus nomes eram Mateus, Marcos, Lucas e João (provavelmente não o João que escreveu Apocalipse). Eles nunca imaginaram que seus escritos (com os de Pedro, Paulo e outros) seriam acrescentados às sagradas escrituras dos judeus, para tornar o livro posteriormente conhecido por milhões como Bíblia. Eles nunca sonharam que o que eles escrevessem seria traduzido para centenas de idiomas. A própria idéia provavelmente os teria chocado.

Mateus, Marcos e João, sendo judeus, certamente conheciam a visão de Ezequiel, mas não tinham idéia de que o que eles escreveram tinham alguma relação com isso. Inconscientemente, eles estavam participando de seu cumprimento. Esses quatro evangelhos correspondem aos quatro seres vivos.

Mateu

O evangelho de Mateus corresponde ao primeiro ser vivo, que é um leão. O leão é o rei dos animais e, consequentemente, Mateus vê Jesus como um rei . A própria Bíblia associa o leão à realeza e à tribo de Judá da qual Jesus veio. Em Gênesis 49: 9 e 10, Jacó profetizou: “Você é um filhote de leão, ó Judá; você volta da presa, meu filho. Como um leão, ele se agacha e se deita, como uma leoa - quem ousa despertá-lo? O cetro não se afastará de Judá, nem o cajado do governante entre seus pés, até que ele chegue a quem pertence e a obediência das nações seja dele.”

Mateus era um funcionário do governo e o mais adequado dos quatro escritores do evangelho para ver Jesus como um rei.

Mateus começa seu evangelho com as palavras “Um registro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão”. Ele então traça a linhagem de Jesus de Abraão até Davi, e através de todos os reis de Israel. O que poderia ser mais apropriado para quem estava destinado a sentar-se no trono de Davi?

Somente Mateus registra a visita dos sábios, e suas palavras: “onde está aquele que nasceu rei dos judeus? Vimos sua estrela no leste e viemos adorá-lo.

No final de Mateus, ao comissionar os discípulos, Jesus disse: “Toda autoridade é dada a mim no céu e na terra.” Estas são as palavras de um rei.

Marcos

Marcos corresponde ao segundo ser vivo, ao boi, que é um servo animal. Dessa maneira, Marcos vê Jesus como um servo, o que representa o oposto de um rei. Servos são pessoas “desconhecidas”, o que é interessante, pois Marcos era uma pessoa cuja profissão é desconhecida. As primeiras palavras de Marcos são simplesmente: 'Princípio do evangelho de Jesus Cristo' (Marcos 1: 1) [as palavras 'Filho de Deus' que se seguem, certamente foram adicionadas mais tarde, pois não estavam no original). Em Marcos não há genealogia, nem conta de nascimento; o que não seria esperado ao narrar a chegada de um servo. O livro de Marcos também não inclui muitos ensinamentos, mas a ênfase principal está nos fatos de Cristo, ou seja, enfatizando Jesus em seu papel de servir ao Pai. Também é interessante que Marcos seja o evangelho mais curto (outro vínculo com o tema do servo).

No final de Marcos, quando Jesus comissionou seus discípulos, Jesus disse: “E estes sinais seguirão aqueles que crerem: Em meu nome expulsarão demônios; eles falarão novas línguas; eles levarão cobras nas mãos e, se beberem algo mortal, isso não os prejudicará; eles imporão as mãos sobre os enfermos e curarão ” (Marcos 16: 17-18). Ele estava se referindo às ações que seus servos estavam realizando.

Como você pode ser rei e servo ao mesmo tempo? Não há mais papéis opostos. Aqui na Inglaterra, como em vários outros países, a rainha é apenas a chefe constitucional do país. No passado, os monarcas realmente governavam seus reinos e tinham poder absoluto. Eles se assemelhavam àqueles que hoje entenderíamos como primeiros-ministros e presidentes, ou mesmo ditadores modernos. A coroação de Saul, o primeiro rei de Israel, é descrita nos primeiros capítulos do livro de Samuel. Samuel é um bom exemplo do poder que os monarcas exerceram com seus subordinados quando disse: “vocês serão seus servos” (1 Sm 8:17). Naqueles dias, um rei podia decretar a morte de qualquer pessoa de quem não gostasse, e isso acontecia com frequência. Mas um servo não tinha nenhum direito, mas tinha que obedecer a tudo o que o mordomo lhe dissera.

Jesus cumpriu perfeitamente ambos os papéis de rei e servo. Ele falou e agiu como um rei. “Todo o poder é dado a mim no céu e na terra” (Mt 28:18). Mas ele também viveu como servo e também usou as palavras de um servo: ”Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou” (Jo 6:38). Ele obedecia constantemente à vontade de seu pai.

Lucas

O terceiro autor dos evangelhos (Lucas) corresponde ao terceiro ser vivo. Ele vê Jesus como um homem. Lucas era médico e cuidava das pessoas; portanto, é lógico que ele veja Jesus dessa maneira. Somente Lucas nos dá todos os detalhes humanos do nascimento de Jesus. Ele nos conta sobre a visita de Gabriel a Maria e sua concepção. Apenas Lucas menciona a estalagem e a manjedoura onde Jesus dormiu pela primeira vez. Semelhante a Mateus, Lucas fornece a genealogia de Jesus, mas não da mesma maneira. Mateus começa com Abraão e os filhos através de Davi. Lucas começa com Maria e o segue até chegar a “filho de Adão, filho de Deus”. Em hebraico, o nome Adão significa homem. Portanto, podemos traduzi-lo da seguinte forma “filho do homem, filho de Deus”.

Lucas nos fornece numerosos detalhes pessoais da vida de Jesus. Somente em seu evangelho somos informados de como uma gangue de homens o expulsa de Nazaré. Somente em Lucas é mencionado como Jesus suou no Getsêmani com gotas de sangue.

Na comissão no final de Lucas, as palavras foram incluídas, “E em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém” (Lucas 24:47). Ele se concentra aqui no arrependimento, em como o ser humano responde ao evangelho e no perdão resultante disso.

João

O evangelho de João corresponde ao quarto ser vivo, a águia em fuga. A águia pertence aos céus e, portanto, representa Deus. João vê Jesus como filho de Deus. Os outros três seres pertencem à Terra. E como esperamos, o Evangelho de João é muito diferente do de Mateus, Marcos e Lucas.

Tanto o Evangelho de Mateus quanto o de Lucas relacionam o nascimento e a genealogia de Jesus dentro de uma estrutura natural (ou terrena). Mas no Evangelho de João não é assim, uma vez que o nascimento de Jesus segundo o terreno não é apresentado, mas a origem está situada no celestial: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o O verbo era Deus” (Jo 1: 1). Um pouco mais tarde, ele diz: “E aquela Palavra se fez carne e habitou entre nós (e vimos a sua glória, a glória como a unigênita do Pai), cheia de graça e verdade” (Jo 1: 14-15). Em Lucas, o nascimento é contado a partir de uma perspectiva terrena, em João, a partir de uma perspectiva divina.

João é o evangelho de “Eu sou”. Somente João menciona as grandes referências que Jesus usa para se descrever, como: “Eu sou o pão da vida”; “Eu sou a luz do mundo”; “Eu sou a porta”; “Eu sou o bom pastor”; “Eu sou a ressurreição e a vida”; “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”; “Eu sou a videira verdadeira”, “Antes de Abraão existir, eu sou”. Quem pode dizer essas coisas senão Deus? Não houve professor ou líder religioso que tenha dito essas palavras antes. Deus estava em Jesus e ele falou essas palavras pela boca.

Jesus nunca disse que era Deus, mas 21 vezes (no texto grego) no evangelho e João pronunciou as palavras 'eu sou' (εγω εἰμι). Séculos antes, Moisés perguntou a Deus qual era o nome dele. Deus respondeu-lhe com as famosas palavras “EU SOU QUEM SOU” (Ex 3:14). Para os judeus “eu sou” fazia parte do nome divino. Quando Jesus disse “Antes que Abraão existisse”, os judeus interpretaram suas palavras como se fossem blasfêmias, já que Deus estava se pronunciando. Eles pegaram pedras para apedrejá-lo. Na lei de Moisés, foi decretado que aqueles que blasfemaram seriam apedrejados. (Veja também El Nombre de Dios y el Nombre de Jesús).

No final de seu evangelho, João cita as palavras de Tomé: “Meu Senhor e meu Deus!” (João 20:28). Ele viu Deus em Jesus.

No final do evangelho de João, encontramos a comissão: “Paz para você. Como o Pai me enviou, eu também te envio ... Receba o Espírito Santo. Para quem você remete pecados, eles são remetidos; e para aqueles que são retidos, eles são retidos”. Como Lucas, a comissão em João inclui o perdão dos pecados, mas desta vez os próprios discípulos recebem o poder de perdoar. Para os fariseus e os mestres da lei, isso constituía blasfêmia. “Quem é esse que fala de blasfêmias?” Eles disseram certa vez e “Quem pode perdoar pecados, senão somente Deus?” (Lc 5:21). Eles estavam certos em um nível. Somente Deus poderia perdoar pecados, mas Deus veio habitar no ser humano.

O que contrasta! Rei, por mais servo, homem, mas ao mesmo tempo Deus. Que incrível e que maravilhoso! Realmente está além da compreensão humana! Houve outra pessoa na história da humanidade que combinou esses contrastes (opostos)? No entanto, era isso que Jesus era: o rei servo, o homem-Deus.

Uma visão do corpo de Cristo

Poderíamos concluir razoavelmente que tanto o profeta Ezequiel quanto o profeta João no Apocalipse terão visões de quatro aspectos diferentes de Jesus. Poderíamos concluir que estávamos aqui, satisfeitos com todos os modelos das escrituras e nos regozijando com a nova luz que podemos ver como podemos ver o peso do nosso maravilhoso Salvador. Muitas pessoas, sem dúvida, já viram isso até agora, mas não viram mais.

Mas Ezequiel viu quatro seres vivos, e não apenas um. E os quatro se moveram com perfeita unidade. João viu quatro seres vivos circulando no trono. Por que não no trono? A resposta é que essas visões não eram visões apenas de Jesus, mas de todo o corpo de Cristo. Ezequiel e João não estavam simplesmente vendo Jesus, mas também homens e mulheres que haviam sido transformados à semelhança e que estavam compartilhando seus atributos. Os seres vivos representavam pessoas que se tornaram como Jesus. Que evangelho maravilhoso, que o servo do rei, homem-Deus, veio ao mundo há 2000 anos! E, além disso, Ele é o primeiro dentre uma multidão de outros que virão a ser servos-rei e deuses-homens. Isso representa um evangelho dentro de outro evangelho.

Também reinaremos com Ele. Também devemos ser servos de Deus e do homem. Embora sejamos humanos, devemos ser filhos e filhas de Deus e nos tornar “participantes da natureza divina”.

O Espírito Santo que habitava nosso Salvador Jesus Cristo era o mesmo espírito que o fez rei, um servo, um homem e um deus. O Espírito Santo em nós nos dá autoridade e poder como se fôssemos monarcas. Ao mesmo tempo, nos dá uma atitude humilde, como a de um servo, e o poder de servir. Através do Espírito Santo, manifestaremos a natureza de Deus.

Vamos agora considerar esses quatro seres vivos mais de perto, e com a ajuda do Espírito Santo veremos um pouco da glória que será manifestada no corpo de Cristo. Espero que as visões de Ezequiel e Juan se tornem novas visões transformadoras para nós.

Reis

Jesus foi e é o rei dos reis. Paulo o descreve como “Rei dos reis e Senhor dos senhores.” João o descreve como “Senhor dos senhores e rei dos reis” e vê o nome “E em suas vestes e coxas escreveu este nome: REI DOS REIS E o SENHOR DOS SENHORES ”. No passado, o “rei dos reis” era o título dos reis da Babilônia e da Pérsia. Foi usado para descrever Nabucodonosor, rei da Babilônia (Ezequiel 26: 7 e Daniel 2:37) e Artaxerxes, rei da Pérsia (Esdras 7:12). Esses reis tinham grandes impérios e reinaram sobre muitos outros reis, cada um deles era o governante de seu próprio país. No entanto, esses reis menores estavam sujeitos e dependiam do grande rei central de todo o império.

Esta é uma figura do corpo de Cristo. Jesus é o grande rei dos reis, e cada membro de seu corpo é um rei sob seu mandato. Cada membro está destinado a ter o poder e a autoridade de um rei.

O que significa ser rei então? Temos que olhar para Jesus novamente. Que tipo de rei ele era? Como os reis do passado, ele tinha poder absoluto. Tudo o que ele queria e comandava era obedecido. Tudo e todos estavam sujeitos ao seu mandato. Mas, diferia dos velhos monarcas, uma vez que apenas exercia seu poder para o bem. Além disso, ele estava disposto a passar seu poder para os outros.

Antes de inaugurar seu ministério público, Jesus mostrou ter total autoridade sobre seu próprio corpo. Ele mostrou que reinou sobre si mesmo. Mateus diz 'E depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, ele estava com fome' (4: 2). Somente depois de 40 dias Jesus passou fome. Parece que durante os quarenta dias ele não sentiu vontade de comer. A dor física associada à fome só começa quando o corpo gasta toda a sua gordura. Às vezes, chamamos de fome a sensação normal que o corpo emite quando exige sua comida diária, mas isso realmente não é fome como tal. Quando Jesus realmente sentiu fome, ainda rejeitou a oportunidade de comer. Ele não cedeu a nenhuma demanda física ou apetite, mesmo que o apetite o atingisse com força. É possível que ele estivesse perto da morte devido à fome, mas ainda mantinha o controle sobre seu próprio corpo.

Jesús también tenía dominio de Satanás. Después de su ayuno, fue capaz de comandar a Satanás de irse. A lo largo de su ministerio tenía un control completo sobre el mundo de los espíritus. Jesús tenía esta autoridad él mismo, y lo dejó bien claro que sus seguidores también lo tendrían. En Mateo 10:1 leemos, ‘Entonces llamando a sus doce discípulos, les dio autoridad sobre los espíritus inmundos, para que los echasen fuera, y para sanar toda enfermedad y toda dolencia’. En Lucas dijo ‘Yo veía a Satanás caer del cielo como un rayo. He aquí os doy potestad de hollar serpientes y escorpiones, y sobre toda fuerza del enemigo, y nada os dañará’.

Jesús también tenía autoridad sobre las enfermedades ‘Y cuando llegó la noche, trajeron a él muchos endemoniados; y con la palabra echó fuera a los demonios, y sanó a todos los enfermos’ (Mt 8:16). Ninguna enfermedad podía permanecer delante de él. El daba un orden, y la enfermedad se iba. Y esta autoridad no residía simplemente con Jesús, sino que él lo impartía a sus discípulos. ‘Sobre los enfermos pondrán sus manos, y sanarán’ (Mr 16:18).

Jesus também tinha domínio de Satanás. Depois do jejum, ele conseguiu ordenar que Satanás fosse embora. Durante todo o seu ministério, ele teve total controle sobre o mundo espiritual. Jesus tinha essa autoridade e deixou claro que seus seguidores também a teriam. Em Mateus 10: 1, lemos: “Então, chamando seus doze discípulos, ele lhes deu autoridade sobre espíritos imundos, expulsá-los e curar todas as doenças e enfermidades”. Luke disse “Eu assisti Satanás cair do céu como um raio. Aqui eu lhe dou o poder de pisar cobras e escorpiões, e acima de toda a força do inimigo, e nada irá prejudicá-lo.”

Mas há uma área em que a autoridade na vida de Jesus não é vista tão diretamente: ela não se manifesta em uma autoridade sobre os homens. Ele não era como um rei terrestre e disse que seu reino não era deste mundo. Quando ele foi tentado por Satanás, ofereceu-lhe todos os reinos do mundo, com a condição de que Jesus se curvasse diante dele; Jesus não aceitou. Ele não aceitou porque esse não era o método do pai, cujo plano era governar os corações do ser humano com base em sua própria cooperação com base em sua vontade, e não pela força.

Jesus reinará até que todos os seus inimigos sejam subjugados aos seus pés, mas quais são seus pés? Eles fazem parte do corpo dele! Os pés são a última parte do corpo a nascer e simbolizam aqueles que vencem e reinam com ele.

Jesus transmitiu toda a sua autoridade como rei aos seus discípulos. Além dos versos mencionados anteriormente, também lemos: “Em verdade, em verdade vos digo que aquele que acredita em mim, as obras que eu faço, ele também fará; e ainda maior servirá, porque eu vou ao Pai” (Jo 14:12). “Como o Pai me enviou, eu também te envio” (Jo 20:21). Muito tempo depois, João escreveu “porque, como ele é, também estamos neste mundo” (1 Jo 4:17). Em Apocalipse 3:21, lemos as palavras “Para quem vencer, darei a ele para sentar comigo no meu trono, assim como venci, e sentei-me com meu Pai no trono.”

No submundo, os reis não são servos e os servos não são reis. Reis e governantes reinaram para seu próprio prazer e benefício. Muitos produziram sofrimento e miséria para seus subordinados. Acabamos de sair de um século em que torturadores cruéis causaram a morte de milhões, através da fome e das guerras. Hitler, Stalin e Mao Tse Tong superaram todos aqueles que os precederam em termos de brutalidade e sofrimento que causaram a multidões de pessoas inocentes.

Aqueles que reinarão no reino de Deus serão drasticamente diferentes. Eles serão servos de Deus, fazendo a vontade de Deus e, portanto, servindo aos outros também. Para Jesus, sua completa obediência como servo era fazer a vontade de seu pai, e foi isso que lhe deu autoridade como rei. E assim deve ser para aqueles que o seguem. Eles obedecerão completamente ao pai celestial e, portanto, serão qualificados para compartilhar o trono com o primogênito.

Servos

Como eu disse, no mundo um antigo servo era o oposto de um rei. Um rei tinha poder e autoridade absolutos. Um servo nada mais era do que um servo e pertencia ao seu dono. Ele não tinha direitos próprios. Ele teve que obedecer a tudo o que foi ordenado.

Jesus era o servo perfeito de seu pai. Ele disse “Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou” (Jo 6:38). Assim como um servo terrestre obedeceu a seu mestre 24 horas por dia, Jesus se rendeu constantemente ao Pai. Ele não foi levado por seus desejos e ambições naturais. A vontade do Pai era a coisa mais importante e influenciava cada palavra que ele dizia e tudo o que fazia.

Antigamente, os servos serviam seus senhores à força. Eles não tiveram a possibilidade de escolher o contrário. Eles não queriam passar o tempo todo servindo às necessidades dos outros e teriam preferido viver suas vidas de acordo com seus próprios desejos e ambições; mas eles não tinham liberdade de escolha e não tinham o direito.

Jesus serviu a seu pai por vontade própria. Ele adorou fazer a vontade de seu pai. Não havia problema para ele, pois tinha os mesmos desejos e objetivos que os de seu pai.

Sua dedicação ao Pai representavam a base de sua dedicação aos outros. Maravilhosamente, o serviço à sua própria criação está no coração do o pai que é o criador (de filho dele). Jesus mostrou sua atitude de servo de uma maneira verdadeiramente emocionante quando lavou os pés de seus discípulos. Ele também os instruiu a lavar os pés um do outro.

Sua vida serviu de modelo para seus seguidores, e ele disse a seus discípulos: “Se você me ama, guarde meus mandamentos” (Jo 14:15).

Em muitas de suas cartas, Paulo se apresentou a seus leitores como “um servo (ou escravo) de Jesus Cristo” (Rm 1: 1). Em outras ocasiões, ele se apresentou como apóstolo de Jesus Cristo, mas o significado original de apóstolo não é tão diferente do de um servo, pois significa simplesmente alguém que é enviado. Pedro, Tiago e Judas também se apresentaram aos seus leitores como servos de Jesus Cristo.

Por natureza, não somos servos que servem a Deus com sua própria vontade, mas seguimos nossos próprios desejos, vontades e ambições em tudo o que fazemos. Somos servos de nossas próprias paixões e apetites. Jesus disse simplesmente: “Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que pecar é escravo do pecado” (Jo 8:34).

Como podemos ser servos fiéis a Jesus? Nunca podemos fazê-lo através de nossos próprios esforços ou por nossa própria vontade. Ele não é um capataz que exige serviço de seus seguidores. Em Mateus 11:30, diz “porque meu jugo é suave e diminui meu fardo”. Seu jugo é fácil e seu fardo é leve, porque queremos fazer a vontade dele. Assim como Jesus era um com seu Pai e teve o prazer de fazer sua vontade, também quereremos fazer sua vontade na medida em que parecemos com ele. Nós nos tornaremos seus servos através de uma transformação interna e uma mudança de coração.

Em João 15:15, Jesus retirou o título de servo de seus discípulos, dizendo: “Não chamarei mais de servos, porque o servo não sabe o que seu senhor faz; mas te chamei de amigos, porque todas as coisas que ouvi de meu pai te dei a conhecer” (Jo 15:15). Quando somos um com ele, podemos simplesmente realizar os desejos em nossos corações, e de uma maneira maravilhosa e milagrosa veremos que, ao mesmo tempo, estamos cumprindo seus desejos também. Fazemos o que fazemos em completa liberdade e vemos que estamos servindo você.

Humanos

Em Jesus, Deus se manifestou como um ser humano. Antes de Jesus vir, ele havia se manifestado de outras maneiras. As leis e os rituais do Antigo Testamento eram sombras da verdade divina. Os sacerdotes antigos também revelaram Deus, mas não claramente. As escrituras revelavam Deus àqueles poucos que os possuíam e podiam entendê-los. Jesus foi muito além de todas as revelações anteriores quando veio revelar Deus em forma humana.

Foi a revelação perfeita de Deus, mas mesmo ele tinha limitações. Ele disse isso para si mesmo ‘De um batismo eu tenho que ser batizado; e como estou angustiado até que seja cumprido! '. Ele havia aceitado as limitações quando veio à Terra em forma humana.

Eu estava limitado a um corpo físico. Ele poderia ser apenas um tipo de pessoa. Era masculino e não podia ser feminino. Ele veio como judeu e, portanto, não poderia ser chinês, indiano ou africano. Trabalhou como carpinteiro e não podia ser pescador, fazendeiro, enfermeiro, atleta, músico etc. E ele só viveu até os 33 anos. Ele nunca foi pai, nem pregador veterano. Mas ele expressou Deus plenamente no que era como judeu, carpinteiro, diante de todo o mundo da raça humana. Será maravilhoso ver Jesus manifestado como masculino e feminino, em todas as raças, em todas as épocas, em todas as ocupações e com todas as variedades relacionadas à aparência física.

A luz pura consiste em todas as cores individuais combinadas. Quando todas as luzes de cores diferentes do corpo de Cristo se juntarem, elas produzirão a pura e brilhante luz de Deus.

Nos séculos anteriores, a igreja assumiu que ela representa Deus. Milhões de pessoas acreditam que sim. Mas se isso é verdade, a manifestação de Deus através da igreja tem sido muito limitada. Os clérigos representaram uma porcentagem muito pequena entre a população humana. No caso da Igreja Católica, ela consistia principalmente de celibatários europeus que tinham apenas um cargo - o de ser padre. Isso não representa Deus no processo de se tornar homem. Nesse sistema religioso, Deus estava restrito a uma minoria muito pequena da humanidade.

Até o sacerdócio da antiga aliança estava aberto apenas a um número muito pequeno de pessoas. Eles tinham que ser homens, entre 30 e 50 anos, e da tribo de Levi. Ambas as mulheres, como jovens ou todas as que pertenciam a outra tribo, foram excluídas.

Quando o verdadeiro corpo de Cristo é revelado, quando manifestado, ele será totalmente humano. Compreenderá todo o espectro da raça humana. Será uma grande extensão de Jesus, a cabeça dele.

Filhos de Deus

Vamos agora abordar a parte mais interessante do nosso estudo, o Evangelho de João, que revela Jesus como filho de Deus mais claramente do que os outros três.

Como já observamos anteriormente, João simplesmente diz “a Palavra era Deus” (Jo 1: 1). Ele também cita a confissão de Thomas “Senhor Meu Senhor e meu Deus!”. Além disso, registre 21 exemplos de Jesus usando o nome divino 'eu sou' . Por duas vezes ele conta como os fariseus tentaram apedrejar Jesus, uma vez que disseram que ele blasfemava quando se descrevia. Dessa maneira (e muito mais), o Evangelho de João apresenta Jesus como Deus. Paulo escreveu que “Deus se manifestou em carne” (1 Tim 3:16). O autor dos hebreus descreveu Jesus como “sendo o brilho de sua glória e a própria imagem de sua substância” (Hb 1: 3).

O Evangelho de João representa Jesus como Deus, e seus seguidores como homens com um abismo entre os dois? Essa é a mensagem do Novo Testamento e de toda a Bíblia? Durante séculos, foi o que a igreja ensinou. De fato, não é tão diferente do que os gregos acreditavam nos tempos antigos e do que os hindus acreditam hoje. Para esses, seus deuses são entidades de outro mundo, completamente separados dos seres de carne e osso como nós.

Será que Jesus se considera uma espécie diferente de seus seguidores? É considerado como uma entidade completamente diferente? Vamos examinar as palavras dele novamente.

Jesus disse que “eu e o pai um somos” (Jo 10:30). A reação dos judeus foi atirar pedras nele. Jesus disse a eles “Muitas boas obras que eu mostrei a você de meu Pai; Para quem você me apedreja?” (Jo 10:32). Os judeus responderam, dizendo: “Não te apedrejamos pelo bom trabalho, mas pela blasfêmia; porque você, sendo homem, se torna Deus” (Jo 10:33).

As palavras que tanto ofenderam os fariseus foram “Eu e o Pai somos”. Eles interpretaram essas palavras como blasfêmias, pois consideravam que Jesus se acreditava igual a Deus. Jesus não apenas se referiu a si mesmo quando falou essas palavras, mas também estava se referindo a seus discípulos. Ele orou por seus discípulos (e por todos aqueles que acreditariam nele através dos séculos) para que “para que todos pudessem ser um; como você, ou Pai, em mim e eu em você, que eles também sejam um em nós; para o mundo acreditar que você me enviou” (Jo 17:21). Sua união com o Pai não era algo que ele mantinha para si. Ele orou para que seus seguidores também experimentassem essa unidade com o Pai.

O que Jesus disse não era simplesmente hipotético. Ele sempre orou de acordo com a vontade de seu pai e, portanto, todas as orações que ele fazia eram respondidas. Qualquer oração que ele fazia era uma indicação clara de que isso iria acontecer. Ele orou para que seus seguidores fossem um com ele e com seu pai. Portanto, podemos assumir que seus seguidores se tornarão um com ele e com seu pai.

Os fariseus acusaram Jesus de blasfemar. Como Jesus respondeu? “Não está escrito em sua lei: eu disse, deuses são você? Se ele chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus veio (e a Escritura não pode ser quebrada), a quem o Pai santificou e enviou o mundo, você diz: Você blasfema, porque eu disse: Filho de Deus eu sou?” (Jo 10: 34-36).

Jesus não negou a acusação, mas envolveu seus seguidores na acusação, citando o Salmo 82: 6 “Eu disse: Vocês são deuses, e todos vocês são filhos do Altíssimo”. Este versículo fala de deuses no plural. Jesus mostrou que ele era completamente compatível com as escrituras não apenas para ele, mas também para que seus seguidores dissessem que eram filhos de Deus.

Jesus continuou respondendo aos fariseus dizendo “Se eu não faço as obras de meu Pai, não acredite em mim. Mas se eu as fizer, mesmo que você não acredite em mim, acredite nas obras, para que você saiba e acredite que o Pai está em mim e eu no Pai” (Jo 10: 37-39)

Os milagres e outras ações que ele fez foram a prova de que ele era o filho de Deus e que Deus era seu Pai. No entanto, ele também chamou e fez com que seus discípulos fizessem o mesmo que ele, dizendo: “Em verdade, em verdade vos digo que aquele que acredita em mim, as obras que eu faço, ele também fará ; e ainda maior servirá, porque eu vou ao Pai” (Jo 14:12). Os mesmos milagres que são a prova de que Jesus é o filho de Deus serão a prova de que seus seguidores são filhos de Deus.

Jesus qualificou que não fez nada “Ele não fez nada por si” O Pai que habitava nele fez tudo. “Você não acha que eu estou no Pai, e o Pai em mim? As palavras que eu falo para você, não falo por conta própria, mas o Pai que mora em mim, ele faz as obras” (Jo 14: 10-11). Ele então fez uma promessa extraordinária a seus discípulos de que ele e seu Pai também habitariam neles. “Quem me ama, a minha palavra se mantém; e meu Pai o amará, e nós iremos a ele e habitaremos com ele” (Jo 14: 23-24). O Pai que viveu em Jesus também vive em nós.

Jesus disse que “eu sou a luz do mundo”. Em outra ocasião, ele disse a seus discípulos “Você é a luz do mundo”

Pouco antes de deixar seus discípulos, Jesus disse a Maria Madalena: “Mas vá aos meus irmãos e diga-lhes: eu vou até meu Pai e seu Pai, meu Deus e seu Deus” (Jo 20:17).

Jesus não concebeu seus discípulos como entidades de menor grau e status. Ele também não nos vê como seres inferiores. Ele morreu para que o espírito divino que habitava nele venha habitar em nós e nos faça um com ele. Esse espírito é o grande EU SOU que vive em nós também. Esse espírito nos torna filhos de Deus.

Paulo falou disso como “o mistério que estava escondido desde as eras e eras, mas agora se manifestou a seus santos, aos quais Deus queria tornar conhecidas as riquezas da glória desse mistério entre os gentios; que é Cristo em você, a esperança da glória” (Col 1: 26-27). Estava escondido de gerações antes de Paulo e está escondido de gerações desde aquele dia. Mas agora, como então, Deus está revelando isso a seus santos.

Muitos anos depois, João escreveu “Veja que amor o Pai nos deu, para que sejamos chamados filhos de Deus” (1 Jo 3: 1). Também contemplamos nossa ligação com espanto.

Para mergulhar mais no assunto, veja outro panfleto em inglês ‘I AM’.

O espírito de Cristo

Voltemos agora à visão de Ezequiel para ler mais do que ele viu. Falando em seres vivos, ele escreveu “E eles tiveram suas asas estendidas acima, cada uma delas, que se juntaram; e os outros dois cobriram seus corpos. E cada um seguiu em frente; onde o espírito os levou a caminhar, eles caminharam; e quando andavam, não giravam” (Ez 1: 11-13). Esses quatro seres vivos se moveram juntos em perfeita união; e eles foram para onde o espírito os guiou . Paulo repetiu isso quando escreveu “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus.”

Por natureza, não somos reis, nem servos, nem deuses. Não temos poder para reinar nem humildade para servir. Somos mais que seres humanos degradados sem Deus. Não podemos ser nenhuma dessas coisas por nossa própria sabedoria, força ou vontade.

O Espírito de Cristo é o grande transformador. Até Jesus não fez nada em sua própria força. Ele disse 'O Filho não pode fazer nada por si mesmo' e 'Eu não posso fazer nada por mim' ' Dependia completamente do espírito que habitava dentro dele e que vinha do Pai para tudo o que ele tinha que fazer. Esse espírito nele era o rei poderoso e o servo obediente. Aquele servo era o homem perfeito e o Deus todo-poderoso.

O mesmo espírito que habitava nele agora habita em nós. O que é impossível para o homem natural é possível para Deus. O mesmo espírito que fez de Jesus um servo também fará dos membros de seu corpo servos. O mesmo espírito que era Deus em Jesus será Deus naqueles que o seguem. Por esse espírito, eles se tornarão gloriosos, um corpo unido, movendo-se em perfeita unidade e harmonia. Por esse espírito, eles se tornarão um um com o outro e com Deus.

  • Home page português
  • Home Page Inglês